Vereadora é vítima de abusos praticados por colega de parlamento

Baixaria em sessão na Câmara de Presidente Dutra

Desde que se manifestou contraria a um requerimento que pede a mudança do nome de um bairro de Presidente Dutra, a vereadora Andrheya do Jurandy (PDT), tem sido atacada e perseguida, pelo também vereador e colega de partido, André Jardins, autor do pedido. Andrheya foi favorável na primeira votação, mas mudou de posicionamento depois que recebeu manifestações populares contra a alteração e achou justa a reinvindicação dos moradores. O requerimento foi vetado pelo Prefeito Raimundinho da Audiolar (Republicanos) e voltou para votação na casa legislativa.

Na sessão do dia 15 de julho, Andrheya votou a favor do veto do Prefeito e isso acabou irritando André. A parlamentar disse que a decisão não era pessoal e atendia a vontade da maioria dos moradores, que alegaram inúmeros prejuízos com a mudança desnecessária. Quem vive no bairro diz que existem problemas maiores para se preocupar. 

Isso desagradou o vereador André Jardins, que passou a agredir verbalmente a colega. Todas as vezes em que a parlamentar subia à tribuna, era recebida com deboches e manifestações intimidatórias, que partiam do vereador contrariado. O estranho é que outros vereadores que também mantiveram o veto do Prefeito, não foram alvo da fúria do André. Com isso, Andrheya se sentiu diminuída na condição de mulher e política, uma vez que André Jardins não cessou com os ataques ao longo da sessão e passou a caluniar também o pai dala, o ex-prefeito Jurandy Carvalho. Mesmo após o recesso parlamentar (final de julho e começo de agosto), o clima pesado não mudou e preocupa. 

Na sessão da última segunda-feira (23), as agressões chegaram ao ápice. A vereadora foi ofendida e ameaçada com ainda mais veemência. Assustada, Andrheya registrou um boletim de ocorrência na delegacia da cidade, para que o vereador André Jardins pare com a violência. Ela lembra que sempre foi cordial com todos e especialmente com Jardins, que era um aliado do grupo Arapuá, até o fim do mandato do ex-prefeito Juran Carvalho, tio de Andrheya.  

“Sempre deixei claro que meu posicionamento nunca foi por causa do nome da dona Zilda. Falei diversas vezes que a respeitava e respeitava o vereador. Minha decisão foi apenas em respeito ao povo, que não aceita a mudança de nome”, justificou Andrheya.

O jovem vereador partiu pra cima de Andrheya pela segunda vez e fez declarações perigosas. “Você e seu pai irão pagar, nem que seja no inferno”. 

Alem de votar para manter o veto do Prefeito ao projeto de mudança de nome de bairro, André também acusa Andrheya de propagar fake news. A vereadora afirmou que é uma calúnia e que o fato já circulava nas redes sócias antes da discussão entre os dois. Ele disse que Andrheya não tem moral, não vale nada.

Quem assistiu às cenas deploráveis, diz que foi algo nunca visto antes na Câmara de Presidente Dutra. Andrheya alega constrangimento e dificuldade para trabalhar, diante deste cenário ameaçador, mas promete não se calar. 

Violência contra a mulher política é crime

Ameaçar, constranger e intimidar mulheres políticas, é considerado crime. A Lei 14.192, estabelece regras para prevenir, reprimir e combater a violência política contra a mulher. A norma foi sancionada no mês passado, sem vetos do presidente Jair Bolsonaro. 

A nova lei tem origem no PL 5.613/2020, da deputada Rosângela Gomes (Republicanos-RJ).  Entre as ações previstas no texto, estão a criminalização de abusos e a determinação de que o enfrentamento a esse tipo de violência faça parte dos estatutos partidários. 

Agora é considerada violência política contra as mulheres toda ação, conduta ou omissão com a finalidade de impedir, obstaculizar ou restringir os direitos políticos delas, não apenas durante as eleições, mas no exercício de qualquer função política ou pública. Também serão punidas práticas que depreciem a condição da mulher ou estimulem sua discriminação em razão do sexo feminino ou em relação a cor, raça ou etnia. 

Blog Noticiar – por Olavo Sampaio

Anteriores

Ex-prefeito de Apicum-Açu é denunciado por crimes contra a administração pública

Próximo

Anunciado inicio da aplicação da 3ª dose da vacina contra a covid, no Maranhão; São Luís começou hoje (26)

  1. Esse vereador deve estar passando por um desequilíbrio e desconta na vereadora todas as suas frustrações. Tem que ser contido dentro da lei

  2. Esse vereador deve estar passando por um desequilíbrio e desconta na vereadora todas as suas frustrações. Tem que ser contido dentro da lei

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén