Categoria: policia civil Page 1 of 11

Preso autor de homicídio ocorrido dentro de coletivo, na zona rural de São Luís

Na última quarta-feira(29), um mandado de prisão temporária foi cumprido pela Polícia Civil do Maranhão contra um homem investigado por ser o autor do crime de latrocínio que vitimou Wellington Rosa da Silva, morto por um disparo de arma de fogo, dentro de um coletivo na BR-135, em São Luís, no dia 16 de abril deste ano. A prisão foi realizada por policiais militares da Diretoria de Inteligência e Assuntos Estratégicos (DIAE).

O Departamento de Proteção à Pessoa (DPP/SHPP) através de uma minuciosa investigação já havia identificado o autor do crime, inclusive solicitando a expedição do mandado de prisão, mas o investigado passou a ser um foragido. Em seu interrogatório, realizado na sede da SHPP, o preso confessou a autoria delitiva e deu mais detalhes a respeito das circunstâncias do fato.

Após prestar mais esclarecimentos e de ser submetido aos trâmites legais, o investigado foi levado ao sistema prisional onde dever permanecer preso à disposição do Poder Judiciário.

Intensificado trabalho de investigação do assassinato de liderança quilombola, em São João do Sóter

Equipes das secretarias de Estado da Segurança Pública (SSP), Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop) e de Igualdade Racial (SEIR) já estão no município de São João do Soter para dar celeridade nas investigações da morte do presidente da Associação de Quilombolas do povoado Jacarezinho, que foi assinado a tiros na manhã de ontem (29).

Neste sábado (30), em cumprimento à orientação do governador Carlos Brandão, o secretário da SSP, coronel Sílvio Leite e os secretários de Estado Amanda Costa (Sedihpop) e Gerson Pinheiro (SEIR) estiveram no local para verificar de perto o trabalho de identificação dos autores do crime e de proteção a outras pessoas da comunidade. 

Investigação e proteção

De acordo com o titular da SSP, coronel PM Silvio Leite, no âmbito das ações de Segurança Pública, ainda na sexta-feira, foi feito o deslocamento da Delegacia Regional de Caxias e da Perícia Técnica do município de Timon. O objetivo é garantir as ações iniciais relativas ao levantamento de provas. 

As oitivas com a comunidade e ações com policiamento ostensivo já foram iniciadas para identificação dos autores e eventuais mandantes do assassinato.  

“O comandante-geral da Polícia Militar do Maranhão [coronel Emerson Bezerra] colocou à disposição toda a equipe para intensificar as rotas de policiamento ostensivo na localidade, com a realização de blitzen e revistas com a finalidade de, primeiro, trazer um pouco de paz para a comunidade que está no local, muito assustada, mas também de, eventualmente, identificar pessoas que possam estar envolvidas com o fato”, detalhou a secretária de Direitos Humanos e Participação Popular, Amanda Costa. 

A Sedihpop também atua na localidade por meio da Comissão Estadual de Prevenção à Violência no Campo e na Cidade e com a ativação do Programa Estadual de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH). Também conhecido como Defensores-MA, o programa visa garantir a continuidade do trabalho de lideranças que estejam sendo ameaçadas e atuem em defesa de tema ligados aos direitos humanos.

“A equipe técnica do programa estará na comunidade na segunda-feira fazendo oitiva e tentando identificar outras pessoas que eventualmente estejam ameaçadas, seja pelo seu trabalho enquanto defensores dos direitos humanos, ou por serem testemunhas do crime que ocorreu, para garantir que elas possam ter acesso às políticas de proteção específicas operacionalizáveis dentro do programa”, esclarece Amanda Costa. 

Titulação do território

O secretário de Estado da Igualdade Racial, Gerson Pinheiro, também ressalta que as ações da SSP, Sedihpop e SEIR visam garantir providências protetivas imediatas para os defensores de direitos ameaçados.

Gerson Pinheiro lembra que o processo administrativo para a titulação do território quilombola é de responsabilidade do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), autarquia federal, mas no momento ainda não foi concluído, embora já exista laudo antropológico que previamente definiu os limites das terras historicamente pertencentes à comunidade.

“Importante frisar que o processo de titulação do território quilombola tramita no INCRA. O Sistema de Segurança do Maranhão está dialogando com a Polícia Federal para definir a titularidade do caso, enquanto isso, as apurações terão continuidade”, disse o secretário Gerson Pinheiro. 

Em nota, a Sedihpop já havia sinalizado que tanto a Polícia Federal, quanto o Ministério Público Federal também foram acionados, visto que o senhor Edvaldo tinha depoimento agendado para o início da semana sobre a extração ilegal de madeira na região do Quilombo Jacarezinho.

Ainda de acordo com a Sedihpop, a principal razão do conflito na região é decorrente de conflitos agrários, pela posse da terra e também pelo desmatamento na região.

Blog Noticiar – por Olavo Sampaio

Doze são presos durante Operação Teia, de combate a organizações criminosas, na região metropolitana

Durante uma coletiva de imprensa realizada na manhã desta quarta-feira(20), na sede da Delegacia Geral, em São Luís, autoridades da Polícia Civil do Maranhão apresentaram, os resultados da Operação Teia, deflagrada nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira, no combate ao crime de organização criminosa na cidade de Paço do Lumiar, na Região Metropolitana de São Luís. Os dados e detalhes da ação policial foram explanados pelo delegado-geral de Polícia Civil do Maranhão, Jair Paiva; o superintendente de Polícia Civil da Capital (SPCC), Carlos Alessandro e Sidney de Oliveira, delegado de Paço do Lumiar.

A Operação Teia tinha como missão, cumprir 19 mandados de prisão e de busca e apreensão contra pessoas investigadas pelo envolvimento, em tese, com o crime de organização criminosa, bem como outras práticas delituosas, tais como tráfico, crimes patrimoniais e até mesmo homicídio na região do município de Paço do Lumiar e localidades vizinhas.

Segundo o superintendente da SPCC, Carlos Alessandro, a operação teve como base uma investigação, que durou aproximadamente 2 anos, resultou na prisão de 12 pessoas investigadas pelo crime de organização criminosa.

Por sua vez, o delegado-geral, Jair Paiva, parabenizou pelo êxito as equipes envolvidas, fundamentais para o resultado positivo da ação. “A operação faz parte de um conjunto de trabalho que tem como objetivo levar segurança à população da Região Metropolitana de São Luís. O resultado foi excepcional, pois conseguimos tirar de circulação autores de vários crimes”, ressaltou Paiva.

Os presos foram apresentados na sede da Delegacia de Polícia Civil de Paço do Lumiar, onde foram ouvidos formalmente e posteriormente encaminhados ao Sistema Penitenciário estadual, onde permanecerão à disposição da Justiça.

Blog Noticiar – por Olavo Sampaio

Presos membros de grupo de extermínio que atuava na baixada maranhense

No último sábado(26), cinco mandados de prisão preventiva foram cumpridos pela Polícia Civil do Maranhão contra suspeitos de integrarem um grupo de extermínio que atuava na Região da Baixada Maranhense. Segundo à Superintendência Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (SHPP), o grupo seria responsável por pelos menos 28 mortes ocorridas nos últimos dois anos na região.

Os alvos dos mandados de prisão já estavam presos em presídios das cidades de Pinheiro e São Luís, após uma megaoperação realizada no dia 27 de janeiro deste ano, que resultou inclusive na prisão de uma policial militar, investigado de integrar o bando criminoso. Com a ação policial, foi possível desarticular a organização criminosa que disseminava o medo por onde passava. Em um dos atos criminosos do bando, ocorrido em 2020, a vítima foi morta com 12 disparos de arma de fogo, em uma rodovia, na cidade de Peri Mirim.

As investigações continuam sob a competência do Departamento de Homicídios do Interior, no intuito de identificar outros possíveis membros do grupo criminoso, além de reduzir o número de crimes contra a vida na Baixada Maranhense.

Blog Noticiar – por Olavo Sampaio

Polícia prende sete pessoas por envolvimento no homicídio de jovem, em Timon

Nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira(9), uma operação policial foi deflagrada pela Polícia Civil do Maranhão no município de Timon, no intuito de cumprir mandados de busca e apreensão e prisão preventiva contra pessoas investigadas por envolvimento num homicídio ocorrido no dia 02 de fevereiro deste ano, no Povoado Bom Viver. As investigações iniciaram logo após a morte de Samuel Ribeiro de Sousa, 22 anos, encontrado morto por disparos de arma de fogo.

A Delegacia de Homicídios de Timon que coordena as investigações, ainda no mês de fevereiro, cumpriu o primeiro mandado de busca e apreensão na residência de um dos investigados que na ocasião, foi preso em flagrante por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.

Nesta quarta-feira(9), equipes da Superintendência Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (SHPP), Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (SENARC), Superintendência de Polícia Civil do Interior(SPCI), Delegacia Geral de Polícia e Instituto de Criminalística(ICRIM), realizaram diversas ações simultâneas que resultaram nos cumprimentos 4 mandados de prisões e outras 3 pessoas foram presas por tráfico e posse de armas.

Foram apreendidos duas pistola calibre .40, numeração raspada, uma pistola 9mm, uma arma artesanal, aproximadamente 1,5 Kg de maconha prensada, drogas prontas para consumo, material para embalar drogas, balanças de precisão, vários telefones celulares. Todos os presos foram apresentados na Central de Flagrantes e encaminhados ao Presídio Jorge Vieira, em Timon.

Blog Noticiar – por Olavo Sampaio

Polícia desmonta esquema de agiotagem em São Luís

Uma ação da Polícia Civil do Maranhão batizada de “Operação Mihnea”, foi deflagrada na manhã desta sexta-feira(21). Tal ação, tinha como objetivo cumprir mandados de busca e apreensão contra endereços alvos de uma investigação que apura o crime de agiotagem na capital maranhense, São Luís.

As investigações que são do 4º Distrito Policial do Vinhais, teve como ponto de partida um inquérito instaurado que apura o fato de veículos alugados estariam sendo entregues a agiotas como forma de garantia de empréstimos.

Durante a operação, os policiais localizaram um imóvel no bairro do Olho d’Água que segundo as investigações servia como depósito de automóveis dados em garantia de empréstimos ilegais junto aos agiotas. Na ação, veículos foram apreendidos que posteriormente devem passar por um perícia. Não houve prisão e a investigação prossegue com objetivo de identificar todos os envolvidos.

Blog Noticiar – por Olavo Sampaio

Page 1 of 11

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén